09 março 2009

Os barcos

São só palavras texto ,ensaio e cena,a fantasia de um bolero estraga a minha indiferença,olhares retratam os movimentos e me pego entre o atrito da caneta e o papel buscando conforto,o bizarro e o humano lutando para existir,as pequenas mentiras da verdade.O que é verdade?Só mais um manifesto de poder? A forma certa de enjaular o consciente e desprezar as mais belas maldades. Toc toc ? Alguém ai?Não existe ninguém, partindo de uma proposição, há alguém.Mil e uma vezes só você,quero um papagaio e uma espada,aquela tempestade do século espera a minha decisão,o anelar dedo da natureza esta brincando comigo,se faltar sorvete de leite ninho nós inventamos,aquela piquitita pedra me derrubou no meio do caminho.

A TV,esta um nojo,só fala do Ronaldinho,fenômeno fez um gol,ninguém liga para os outros,amamos futebol,meu Palmeiras empatou,não aguento mais essa crise.Acreditando em vampiros e baratas voadoras,como conseguem perturbar meus sonhos,vivendo sempre a 180 km/h.Será que sou lembrança?Acho que fui esquecida.Avante,adiante,tenho continentes para conquistar.

1 marteladas:

ARCANO disse...

Voce consegue fazer as palavras serem muito mais do que isso!